logo Entre Versos e Protestos

vovó, amor, neto, lipinho, educação, cumplicidade, carinho

Feliz dia do "Lipinho"

Dias desses um garoto com sua avó, estavam no mesmo restaurante em que eu costumo almoçar, pedi de praxe, meu suco de goiaba com agua e meu espetinho de frango empanado, eles se sentaram próximo a mim, sabe aqueles bancos direto no balcão? Então, sentamos nesses bancos, vi que ela teve dificuldade de subir, mas subiu rs.

Seu neto aparentava ter uns 10 anos, ela perguntou o que ele queria beber, e ele educadamente respondeu:

- Vovó, o que a senhora quer beber?

- Ah “Lipinho” bebo qualquer coisa, mas então vamos tomar um “refri”? – Perguntou a senhora.

- Claro Vó. Ô moço, dois “Guaranás” por favor. – Educadamente pediu o menino.

Eu estava ali no meu suco de goiaba, onde eu almoço eles fazem uma jarra que dá três copos, então eu tinha tempo e suco para admirar aqueles dois, e admirei, o carinho que o Lipe tem com sua avó, ouvi eles pedindo algum salgado, e os dois começaram a se olhar, dar risada, e eu ali, olhando nada discretamente aquela cena de amor, quando algo me chamou atenção.

Eu não havia percebido, mas a senhora era deficiente visual, ou enxergava bem pouco, percebi isso quando eu vi o Lipe, levando o canudo do Guaraná a boca de sua vó, e eles riam porque ele ficava brincando de “tira e põe” e vovó com aquele sorriso simples, falava “ Lipinho pare de graça menino, me dê! “Tô” com sede horas!

Eles riam e depois ela tomava um gole do seu Guaraná e mordia um pedaço do seu salgado, como eu falei, não sei se ela realmente era cega ou tinha dificuldade apenas, mas me admirei e me atentei ao cuidado que o neto tinha para com ela, para que não se sujasse, abrindo o pacotinho de maioneses, pegando o guardanapo, limpando suas mãos e as dela, enfim.... Me maravilhei com todo aquele amor que aquele garoto de apenas 10 anos tinha por aquela mulher a quem com certeza ele tinha a maior admiração.

Meu suco havia acabado, limpei minha boca, olhei para o relógio, ainda estava dentro horário, me despedi do atendente, e olhei pela última vez aquela dois, e vi Lipinho dando um beijo cheio de maionese em sua vó, na intenção de brincar e irritar, vi ela tentando sujar ele, vi aquele menino gargalhando dentro do restaurante, eu vi uma vó, eu vi um neto, eu vi amor...

É Lipe, esse mês completo 26 anos e ainda tenho minha “veinha” aqui comigo, e sua atitude me fez perceber que eu também já fui assim, grudada nela, iria nas feiras, dividíamos o mesmo pastel, almoçávamos juntas, ela comia Mc Lanche Feliz só para eu ganhar mais um brinquedo, enfim, éramos assim feitos você e sua avó, e quer um conselho de quem já cresceu Lipe? Não perca isso nunca... E ah! Obrigada pelo ensinamento, eu também não vou esquecer isso nunca.

Vovó é mãe duas vezes, então ame duas vezes mais!

Feliz dia da atitude inocente que só sabe amar e amar!

Por Juliane Santana